RPG online – Round 1

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Com o novo ritmo de matérias na sessão Séries e RPG volto a comentar do 2ic em si, sem ser aventura depois de um longo período. Então antes do tema em si, vou colocar alguns tópicos que chamarei de NEWs de algumas análises rápidas e recentes dos novos recursos e etc.

CLUBE DA LUTA

NEWS

1) Vou abrir a matéria dando parabéns ao Portal RPG online e ao programa em si que comemoram 10 anos em outubro e tornaram todos os usuários Premium por um mês, dando um mês de brinde nas contas daqueles que já eram Premium. Valeu mesmo pela iniciativa, tanto de criar o programa e o portal, tanto da promoção.

PARABÉNS

2) O Auto Log continua sendo um ótimo recurso quando mais quando sua internet ou PC em si está instável e mesmo com a porcentagem baixíssima de fechar tudo, ele fecha, na loteria isso não acontece. E tenho o Auto Log para me salvar. Só é uma pena manter a ideia do save por hora e depois ter que transformar aquilo tudo num só arquivo. Aguardando atualizações nessa área.

3) Co-Narrador: Tinha dado uma opinião prévia a respeito da função e por causa de uma ideia que tive de usar personagens antigos na aventura atual controlado pelos próprios jogadores, ela caiu como uma luva. Assim transformo o jogador em questão em Co-Narrador temporário e ele pode agir com seu Player antigo salvo na sala como um NPC. E seu PC com a ficha normal.

Gen. Shaka

Agora ao tema em si.

Naqueles momentos que o jogador conduz a trama, porque já mencionei que planejamento de mestre só funciona em pouquíssimas casos, nunca sabemos o que passa na cabeça de um player. Há algumas semanas atrás, um jogador da aventura atual que chamo para de Season 3 – afinal é terceira campanha no mesmo universo de Inpergoh no 2ic – quis visitar sua mãe.

Por sorte ele estava num reino vizinho e viajando de caravana, por falta de um transporte melhor, afinal de contas o reino que iam é no deserto, eles viajam por 5 dias. “Eles” aqui porque o grupo resolve acompanhá-lo, já que não tem pistas de onde procurar o buscavam.

Duas pessoas do grupo que naquele momento aproveitei para afastar por falta saem da caravana durante uma das noites de descanso, e a outra grande maioria do grupo segue para a cidade de Crimson, lar da Sacerdotisa da Guerra, mãe do personagem Enzio.

Crimson

Lá chegando logo percebem uma ginásio onde há disputas todos os dias, com novatos, veteranos e campeões de todas as categorias, e numa aventura com menos jogadores, os três presentes resolvem ir disputar a sorte. Depois de muita confusão com um deles que é uma Alabarda (história para outra matéria) os três entram para a arena como novatos, com dezenove inscritos.

Nesse dia o fator que um dos meus colegas de blog, José Alfredo, chama de conveniência apareceu, porque se outros jogadores chegassem atrasados naquele dia, teria 3 lutas individuais para fazer e outros turnos que nem saberia como seria. Afinal o grupo estava numa cidade nova e tinham muito que fazer para conduzir.

Um quarto jogador chegou, ele faz o tipo apostador e de início resolveu gastar dinheiro para lucrar com seus companheiros de aventuras e viagens, mas tarde quando estávamos nas semifinais e se restava 4 competidores, por sorte dos jogadores e suas estratégias, incluindo os 3 de antes. Ele tenta através de persuasão ganhar uma vaga, e acaba conseguindo de maneira inesperada sem saber como e amarrado ao enfrentar aquele que apostou mais dinheiro.

BOLSA DE APOSTAS

Falei isso tudo para mostrar que com o objetivo da viagem em si, logo se resolveu e o pessoal pescou essa ideia de lutar, que nem passou pelo meu planejamento, a Arena fazia parte da cidade, não de um evento x da aventura. Mas os PCs adoram lutar e ficavam ali se divertindo enfrentando NPCs baseados em fichas antigas, para resolver a questão do planejamento de última hora e depois lutando entre si.

O que poderia gerar consequência pior no futuro com o embate, acabou criando uma pequena desavença entre dois jogadores que se enfrentaram na semifinal e está de bem. Então o apostador ficou feliz de enrolar e perder de modo justo (ou não) daquela vez.

O campeão foi a Alabarda. Realmente volto a essa história, para ela começar a fazer sentido.

Kan Feroce

Não digo em breve, mas continua.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s