Um novo pergaminho da história de Inpergoh – Lágrimas que enchem o Oceano

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Ahstan tem sua memória restaurada e o grupo no Plano do Ar consegue a segunda das chaves elementais, fora de Paikkhan à história por trás dos “Jogos” é revelada pelo misterioso Kaoin para Lycan, o novo Sábio das Trevas. Porém o antigo ainda vive e deseja a morte de todos os Sétimos Filhos.

pergaminho RPG

Ao sair do Plano do Ar, Claire estará muito mal depois das últimas lutas, mas chamará Ahstan para contar o que prometeu para ele seguir na missão, Zephaniah e Seth ficarão para as próximas missões como o Bresinger com a alma dos 4 dragões. É preciso definir onde estão os que ainda vivem para ajudar.

Fabregas, Zero e provavelmente Lycan continuarão sem dar notícias. O Katsulee real nem tem certeza se ainda vive. O grupo de heróis e guia está praticamente reduzido à metade e antes de continuar na busca pelo 11º Item, a Chave do Oceano, é necessário ver quem Irá para a missão e Jacques continuará com o suporte só de Yves e Gelo.

Zephaniah com os fragmentos da terra e do ar começar a ter acesso ao Conhecimento na Esfera que adquiriu no Plano da Rocha.

Agora pode controlar a eletricidade como um poder mutante similar a Pirocinese e Criocinese. Criando armadura de eletricidade, transformando a lâmina de seu sabre em eletricidade ou convocando raios.

Zephaniah se lembrará de suas lições de ocultismo, história, idiomas e saberá ler e escrever todos eles, exatamente o que tinha quando era um ser só – completo. E, além disso, terá o poder da esfera de terra.

Lycan com seu manto sente seus companheiros, onde estão e se estão bem.

Claire dirá que está no seu limite criando uma projeção de espírito com sua magia para poder falar com Ahstan, dirá que não sabia que o Medalhão cobrava tanto e que está esgotada, que sente muito, mas que só pode cumprir uma promessa e será a última. Ela conta que a casa que tinha em Rauptalasick era do homem que a comprou na infância, onde seus pais em Gaetano pobres a venderam como concubina para um senhor, num leilão no mercado negro.

Ele viveu os piores pesadelos, sendo forçada a tudo desde cedo, e sua única vantagem era que o homem tinha uma vasta rede de livros e instrumentos musicais e como escape ela fugiu para aquele mundo, como que se sua história real não existisse, com o tempo, ela descobriu que por maior que fosse a casa, tal homem não tinha família e empregados, e descobriu sobre a cabana na praia, o chamou para lá para uma visita. Estranhando um pedido que não fosse por livros ou partituras, o homem a levou até lá.

Claire tinha aprendido uma melodia antiga e proibida nos seus livros de história e resolveu tentar usá-la, paralisando o homem antes que ela abusasse dela de novo, e o arrastando para o mar, o jogou lá, sem controle de sua musculatura, ela o viu se afogar lá e depois arrumou um jeito do mar o levar para longe. Abandonando o nome que ele deu a ela e tomando o nome Sparks que não era o de sua família também. Numa mais voltou para a casa e só fez questão de antes da viagem roubar o registro da casa de praia e queimá-lo, para nunca ser achada, foi seu primeiro e único crime, aprendeu um pouco de defesa com besta por conta de seu ex-marido e só, mas nunca se apegou aquilo.

Um dia quando achou que viveria ali ou encurtaria sua vida, a fagulha que procurava veio do céu.

UM RELÂMPAGO E O MAR

Ao acabar a história, Claire peça que Ahstan guarde o amuleto por ser um item perigoso, use só se for extremamente necessário e falece.

Outros dois meses terão se passado do lado de fora. Majien terá fechado as portas e saído da Casa Di Ventini por falta de respostas sobre seus pedidos. Rhyfel começará seu ataque a Imansiz auxiliado por Hermes Turms e o reino da alquimia que pede os conhecimentos médicos em troca.

Glaven fala que aumentou o número de pessoas estranhas nas proximidades da Floresta Antiga, sem motivo aparente.

O Grupo Épico avisa que a doença encontrada no cientista e agora em algumas pessoas que trabalhavam para eles foi contida, infelizmente os contaminados precisam ficar presos por tudo que foi falado antes e a mesma diferencia da outra peste que cobre Imansiz.

Sem Claire, Ahstan resolve continuar e Jacques deixa Gelo do lado de fora pesquisando o motivo de não poder reviver Claire e os dragões e parte com Zephaniah, Seth, Yves, Ahstan e Bresinger para o Plano da Água.

Plano da Água

O grupo aparece dentro da água – e não parece haver fora da água, à parte de cima por aonde chegam e podem se manter com testes de natação ou alguma habilidade é mais clara, de uma luz que vem de cima conforme precisam descer vai ficando mais escuro. Qualquer habilidade de teleporte e fogo aqui são automaticamente anulados. Com Natação a pessoa desloca normalmente.

A chave aponta novamente para onde ir, uma descida para as profundezas oceânica até se deparar com uma bolha onde não há água dentro, só pedras e uma gigantesca ostra, a chave indica a ostra.

Para viajar aqui, Seth desenha com sua Realidade Artística um navio e Jacques o transforma em água com os poderes de seu colete, fora do navio Zephaniah usa o Corpo de Sombras para que todos respirem normalmente.

 NAVIO DE ÁGUA

Fora de Paikkhan

O oráculo passa para Gelo e a secretária o que descobriu sobre os saltos de tempo, antes de pesquisar sobre as pessoas que não podem reviver Claire e os dragões.

O oráculo investigando as últimas alterações temporais dirá que sentiu algo muito antigo que foi alterado e que proporcionando esses avanços temporais pelo menos para ele, Yves e Gelo que estavam do lado de fora. Já que para todos os outros o tempo passa.

Ele diz que procurou a fonte em duas viagens temporais para o ano 060 e depois para o futuro em 901 e nenhuma delas, nem a manipulação com a máquina corrigida pela ação dele e do mago do tempo.

Ele achou uma falha em calendários do ano 061 quando eles foram criados oficialmente para contar o tempo até agora. Há 8 dias do ano nunca teve nenhum relato histórico de nenhuma espécie. Nada… E lembro que Yves ouviu antigamente algo sobre o dia 23 Asterlie que atormentava alguém do seu antigo grupo.

Dia 23 Asterlie é a data exata anterior aos 8 dias do ano sem qualquer evento histórico relevante, achei que lá poderia estar o ponto de origem da distorção. E nada de novo.

Não a que procurava, mas vi que não posso ir para o dia 24 Asterlie do ano 100 em algumas tentativas se pensar em futuro e posso ir se pensar no passado… e outras vezes nem mesmo assim. Parece confuso e é…

Acho que tal ciclo que Yves mencionou, o reboot do tempo que sempre se dá, pela oitava vez pelo que entendi é nessa data. E talvez algo tenho gerado o efeito dela existir e não ao mesmo tempo, do dia 24 para frente e isso estaria ligada a manipulação anterior no tempo que está causando os pulos.

Só que há regras pelo entendi nesse “jogo” por palavra melhor, se fossem os inimigos fazendo isso, eles perderiam e as memórias seriam devolvidas sem que precisassem dos dois últimos itens e o fazer sabe se lá o que com eles. Só que não é bem assim. Por que outra pessoa manipularia o tempo desse jeito e como?

Seria o homem que roubou a máquina e as 5 fontes de energia com as Bestas?

 Continua nos próximos pergaminhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s