Porque Você Deve Jogar Tormenta RPG

POR JOSÉ ALFREDO

Tormenta RPG 01

Demorou, mas encontrei finalmente um título do D20 System que se adeque perfeitamente ao que eu imaginava a um cenário de fantasia medieval. Engraçado pensar que tive que percorrer um círculo para encontrá-lo e… Melhor eu começar apropriadamente.

Como já deixei claro aqui Dungeons & Dragons é meu sistema favorito e tenho um extremo carinho por sua 3ª Edição. Já um mês após seu lançamento meu amigo (o Leonardo, parceiro aqui do blog) obteve o livro e o devoramos ansiosos para iniciar uma aventura com ele. Até aquele momento tudo era uma surpresa. Jogávamos já nessa época com pequenas adaptações, mas nada que fosse de excepcional relevância. O cenário de estréia fora Tormenta e nele foram narradas duas campanhas, uma narrada por mim por 1 ano e 4 meses se me recordo bem (do nível 1 ao 7) e outra mestrada por uns 5 anos ao todo pelo Leonardo (do nível 1 ao 28º nível).

Bem no decorrer do tempo obtivemos outros livros e infelizmente fomos aprendendo que o sistema não era tão perfeito assim. Suas regras em muitas partes se mostravam altamente desequilibradas. Enquanto certos Talentos (vantagens que o personagem no decorrer dos níveis), Magias e Classes de Prestígio (como o nome diz são classes especiais só alcançadas ao possuir certos requisitos) eram completamente inúteis havia o extremo oposto em cada uma dessas categorias que praticamente forçavam o jogador a pegá-las. Nem vou dar exemplos, pois poderia passar um mês inteiro escrevendo que não iria abranger tudo. Procure na net por fóruns de builds, no site oficial mesmo da Wizards você já encontra, que irá ver as possibilidades infinitas de bizarrices que o sistema possibilita.

Lembro quando foi anunciada a versão 3.5 de D&D 3 anos depois. Estávamos ansiosos ingenuamente crendo que todos esses problemas seriam resolvidos e aí vimos… nada. Ah, Ranger foi remodelado de forma a evitar que no primeiro nível desse 3 talentos grátis (combo este feito por muitos NPC’s dos livros de cenário). Sim, houve outras mudanças, mas nada que sequer buscasse um equilíbrio e eficiência do sistema. Os livros que vieram a seguir contribuíram pra piorar mais ainda. Ficava muito claro que não havia nem um playtest para eles e que eram muitas vezes apenas caça níqueis.

Tormenta RPG 02

Mas aí você, leitor pode vir e falar que era só ignorar essas coisas e seguir apenas com o material bom do sistema, certo? Bem, foi o que fizemos, porém ainda assim várias vezes esse desequilíbrio ficava evidente. Se ao menos uma vez você jogou o 3rd ou 3.5 deve ter visto como é discrepante a diferença entre classes conjuradoras e as outras.

Enfim, jogamos ainda por um bocado de tempo outras campanhas em outros cenários e eu sempre percebi que o sistema tinha potencial. A Wizards houvera percebido bem antes isso e aí veio com algo que revolucionou todo o mundo do RPG: liberaram a licença do D20 System. Como previsto, livros de várias editoras foram lançados se aproveitando disso e como também era previsto muitos eram de péssima qualidade.

Algo que veio em virtude disso foi que vários RPG’s conhecidos ficaram de lado, como GURPS e os livros de terror gótico da White Wolf.

Com o tempo, ótimas adaptações do selo D20 System saíram como Pathfinder (que merece uma resenha por si só) e o Star Wars Saga com seu Sistema Saga (que foi utilizado como base para o Tormenta RPG) que mostrou o qual versátil é o D20 System.

O que eles fizeram, sob meu ponto de vista, fora basicamente equilibrar o sistema. Deram à possibilidade e a sensação do jogador criar seu personagem do jeito que ele bem entende sem ser penalizado com isso. Você poderia imaginar uma ação ou conduta do seu personagem e encontrar em regras práticas e úteis que aquilo poderia ser feito no jogo. Isso é genial.

Todavia eu procurava mais. Ao jogar Eberron eu tentava imaginar algo que se adaptasse àquele lugar onde a magia era a substituta da nossa tecnologia aqui, mas nem por isso significava que todo aventureiro era todo equipado por itens mágicos, muito pelo contrário. Queria e estava adaptando o sistema para algo que desse mais a sensação de evolução da personagem em si e não do que ele utilizava. Que aos poucos, pelo caminho que o jogador escolhia para seu personagem ele realmente se sentisse especial, independente da classe seguida.

Foi uma surpresa e tanta pra mim quando conheci o Sistema Saga e vi que pessoas da área tiveram a mesma preocupação que tive. Agora só faltava remanejar as coisas uma o contexto de fantasia medieval e… conheci este ano o Tormenta RPG pelo meu amigo e outro parceiro do blog, Ramos.

 Tormenta RPG 04

Bem, os anos fez muitíssimo bem a Tormenta e ao mundo de Arton. O cenário amadureceu deixando de lado o conceito de anime (o que era moda e fórmula de sucesso na época do seu lançamento) e na medida do possível de um cenário de magia e dragões ficando mais crível e tenso. Não vou me aprofundar muito na história, pois propositalmente estou evitando saber para ser pego de surpresa na campanha que estou jogando, mas para quem estiver interessado vale muito a pena. Até já foi escrito uma matéria sobre a série de livros que contextualiza o cenário atual de Arton aqui (https://vocevaientender.wordpress.com/2013/01/28/leonel-e-a-tormenta/).

Bem, falemos agora sobre o que nas regras o Tormenta RPG trouxe que efetivou tudo isso que eu comentei, Muitas delas refinadas do Sistema Saga:

  • Antes no 3ª e 3.5 Edição você ganhava 1 ponto de atributo a cada 4 níveis. Agora você obtém 1 a cada 2 níveis. Isso faz com que o jogador defina se pretende maximizar os atributos chave da sua classe ou que a torne mais versátil.
  • Antes se era obtido 1 Talento a cada 3 níveis e agora é a cada 2 níveis. Um dos maiores problemas dos Talentos era que você não podia desperdiçar nenhum sem ser penalizado no futuro, podendo ocorrer isso já no 1º nível se você tinha a intenção de obter uma Classe de Prestígio. Como também os Talentos agora foram reescritos de forma a serem úteis, agora não há tantos Talentos obrigatórios de serem pegos.
  • Seu nível base influencia diretamente (adicionando metade dele) na sua C.A (Classe de Armadura), Resistência, Dano e indiretamente suas Perícias. Antes isso era definido por sua classe/talentos/itens. Gostei muito dessa mudança. Deixa evidente a evolução do personagem. Um ataque de um Guerreiro de 10º nível é bem mais mortal que de um de 5º.
  • Ah, nada de vários ataques dependendo do seu nível de classe e nada de ficar calculando pontos de perícia. No primeiro se quiser dar mais ataques será usando duas armas ou através de Talentos. Já no segundo, dependendo da sua classe, ela definirá quais e quantas perícias terá como treinadas.
  • As Raças agora são realmente relevantes. Suas habilidades raciais e seus bônus de atributo dão peso ao personagem.
  • O nível de sobrevivência aumentou nos níveis iniciais. Agora o personagem começa com muito mais pontos de vida (tecnicamente o dobro do que era seu dado de vida mais seu modificador de Constituição e a cada nível a seguir ganha metade do seu dado de vida mais seu modificador de Constituição). Um Bárbaro que antes tinha um D12 de dado de vida agora ganha no 1º nível 24 + modificador de Constituição e nos níveis seguintes ganha 6 + modificador de Constituição de PV’s.
  • Essas mecânicas novas têm um motivo: Em Tormenta RPG itens mágicos não são de fácil acesso e nem são tão importantes para tornar um personagem forte. Pra mim isso foi a cereja no bolo.

Há outro motivo muito importante a se ressaltar: ele está em um ótimo momento. Recentemente fora lançado uma versão revisada com mais um ótimo suplemento consigo (o Manual do Arcano), agora em Maio de 2013 será lançado o Manual do Combate e com outros mais a vir de tão boa qualidade o tanto.

A comunidade do fórum oficial da Editora Jambô tem se mostrado muito solícita e até os escritores do livro aparecem lá para ler opiniões e tirar dúvidas do que for necessário.

Nem queria vir com essa de “olha, é material brasileiro!!!”, mas é um fato que merece palmas, pois tem sido difícil ver bons materiais de RPG vindo do nosso país e acho que todo Rpgista deveria ao menos dar uma olhada, independente de curtir D&D ou não.

Obs: Ah, não estou recebendo nada por isso não. Só exercendo meu dever cívico e rpgístico de divulgar algo legal. =D

Tormenta RPG 03

2 comentários em “Porque Você Deve Jogar Tormenta RPG”

  1. Eu sempre ouvi muita gente reclamando do Tormenta RPG, dizendo que era besta e desbalanceado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s