Um novo capítulo na história de Inpergoh – As respostas guardadas nas vidas passadas

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Enquanto Seth preparava o ritual, ele sente algo de errado e corre para onde deixou a misteriosa estátua de pedra, quando ela é envolta em tentáculos de trevas e o mago fica sem reação, no chão cai uma caixa deixada pelo misterioso fenômeno.

Dentro da caixa o medalhão do pergaminho e uma mensagem assinada por alguém conhecido como Konan – “Os guardiões do passado Gorgov e Morgana cumpriram sua promessa e evitaram o pior, os guardiões de sempre estão ao seu lado e os protegerão, ao guardião do futuro cabe não cair em tentação e vencer as Trevas.”.

pergaminho RPG

Fabregas tem metade as partes do TecV e o mapa agora libera a localização das outras seis – três em Majien, duas em Imansiz e uma na Fortaleza Wyvern, três bases inimigos com altíssimas defesas para ele se arriscar a ir sozinho.  E além disso, novos pontos vermelhos surgem no mapa vindo do oeste até ele.  Novos inimigos no seu encalço.

Ahstan e Zero recebem confirmação de que Volkatz está bem e no máximo numa semana deverá voltar ao seu posto no Vilarejo Tri-Partido, Volkatz agradece pelo resgate.

Lycan observa as pessoas diferentes agora que guarda segredos, pode testar suas habilidades de controle e dispersar as trevas em itens, ou usar as almas guardadas em sua manopla. Além disso, Zephaniah e Kamali estarão mais afastados pós a desavença entre eles.

Zephaniah que mesmo não guardando muito do que houve, ainda lembra-se das palavras do companheiro bárbaro, que logo se separação.

Jacques como sempre estará aproveitando o tempo para seus negócios.

E o falso Katsulee tentará manter o grupo distante para não descobrir seu segredo e aproveitando da personalidade do samurai, e aproveitará de Gelo para garantir seu disfarce.

O mapa se altera novamente após o final do dia. A estátua e o medalhão somem e o mesmo fica todo negro com linhas em espirais brancos no centro formando um círculo.

Nem Seth, Claire ou Yves entendem do que se trata, o grupo agora não tem uma rota certa para tomar e a separação pode ter alterado o clima.

As visões de Zero podem não ser suficientes para mantê-los juntos e Raizo irá aproveitar disso.

Claire tentará entender o que o mapa quer dizer indo em todas as bibliotecas possíveis e depois tentando focar no que apareceu entre o desenho da Fortaleza e as espirais brancas circulares no fundo preto. Ela procurará por Gorgov e Morgana e não encontrará ninguém historicamente famoso de fato com estes nomes.  Seth pode se lembrar de que o viu na Torre de Rocha Branca sendo transformado e pedra/ouro pelo Elemental que enfrentaram.

Espiral negraSeth irá preparar um altar de pedra na forma de uma ampulheta, ali irá deposita do lado direito o Coração do Rato Vermelho e as Ervas Espirituais, do lado esquerdo o Coração de Oblou e o Elixir dos Três Mundos. As Ervas queimarão o coração negro o transformando num líquido negro, o elixir destruirá o Coração com Espinhos, o transformando num líquido azulado, ele precisa virar a ampulheta e misturar os dois líquidos e depois o seu sangue, para criar um amuleto com uma Chave.

Ao atirar a chave do altar 4 runas circulares iguais a suas ligações com os Ciclos irão aparecer.

Ao tocar a primeira runa ele voltará à cena que encontrou com Bresinger, sob outro ponto de vista.

Os contrabandistas andam pela estrada sem nada, quando o céu escurece, um homem salta sobre as carroças que levavam, ele tem feições élficas e uma capa brancas, olhos azulados, e uma unha grande no dedo mindinho, o tempo parece congelado.

Homem: – Não queria ter deixar aqui, mas é necessário, uma hora um Medalhão do Caos despertará e precisará de um novo guardião humano, você precisará guiá-lo.

Ele tira do manto o ovo de escamas vermelhas e deposita nas carruagens, saltando muito alto e sumindo.

A seguir Seth encontra o ovo de Bresinger.

A segunda runa o levará a reencarnação anterior ao lutador também MaDon, Andrew até abrir o Portão das Memórias Perdidas, ou pelo menos assim o parecia. Ele vê que após a rajada de luz, o portão se fecha bruscamente.

Doze colunas de chamas se formam e criam monstros, as criaturas atacam o grupo, e sem saída eles precisam fugir.

Andrew foge, mas é perseguido pelo Elemental de Seis Cabeças e trava uma luta com ele: seus poderes elementais não funcionam com a criatura, e mesmo sendo colossal ele consegue se esquivar e quebrar suas sequências de ataque, você precisa fugir novamente, mas consegue sobreviver, mas vê Francesco, Saar e Katuslee, além de Basco, Shirley e Omar mortos, antigos companheiros do eu passado.

Elemental de Seis Cabeças

Sua mente começa a se apagar e ele cai acordando numa cidade vazia e toda destruída com lugares arrasados, sem sinal de natureza, corpos no chão, mas que morreram há dias parece que sem sinais de defesa.

O local começa a se destruir, as paredes das casas voam e seu corpo se desfaz e acorda algum tempo depois, chorando como um bebê.

A terceira runa o leva a uma floresta, você é o apresentado a alguém chamado Brian, seu guarda-costas daqui para frente.  Está com cabelos roxos e lisos na altura do pescoço, olhos negros, um robe negro, é mais alto que Seth.

Brian tem altura mediana (1.70 m), Moreno, com um rosto liso com um pequeno tufo de barba em seu queixo, cabelo curto espetado como ouriço, com belos olhos castanhos.

Brian

Segundo seu mestre você precisa seguir para além da estrada e resgatar o Medalhão do Caos do seu último portador que está prestes a ser levado ao Reino de Zarandhes.

Brian: – Ola jovem senhor! O homem se apresenta junto ao seu lobo Vento. Esse é minha mascote, nós o iremos servir o senhor nessa viagem.

Konan: – Obrigado, vamos enquanto ainda está claro.

Brian: — Sim claro. Seguindo pelo caminho.

Vocês saem do vilarejo e tomam a estrada para o sudoeste. A estrada não tem sinal de vida por um bom tempo até que começa a notar rastros de uma carroça com cavalos demonstrando certo cansaço.

Os rastros parecem apagados, mas talvez sejam de poucas horas. Brian apressa os passos e chama Konan junto, seu lobo segue na frente os guiando e procurando algum cheiro.

Brian: — Senhor vamos apertar mais o passo!!

Vocês correm o máximo que podem. Konan não parece ser muito rápido e param ao se deparar com um corpo de um animal.
Ele parece que foi atacado por uma espécie de lâmina média, lembra um gorila, mas está sem o braço esquerdo e o direito é desproporcional ao corpo seus pelos da cabeça estão queimados e os olhos ainda abertos vermelhos e o pelo branco. Parece que sim houve uma luta e o gorila desorientado se chocou contra as árvores e caiu desfalecido.

Brian: – Será que há outro caminho esta parecendo muito perigoso fica nessa estrada, o senhor concorda comigo?  Olho para o aprendiz afim de uma aprovação.

Konan: – O mapa só mostra este caminho estamos algumas horas da cidade que preciso ir, outra rota agora só atrasaria a entrega da mensagem e talvez quem precisamos encontrar já tenha morrido.

Brian- Mas senhor, você não vê que teve uma briga aqui? Fala apontando para o corpo do animal no chão.

Konan: – É eu sei isso é terrível principalmente com o animal, se tivesse tempo daria um enterro digno a ele, quem sabe na volta, mas há outras vidas em risco se não seguirmos viagem.

Brian com o rosto mostrando revolta aceita o que o aprendiz diz e segue em frente mandando o Vento um pouco mais adiante para rastrear possíveis inimigos

Ao final da estrada você encontraria um muro para uma cidade terrível, a qual deveria evitar segundo seu mestre. A estrada termina em muro de pedra com mais de 4 metros de altura, seguindo o muro é possível encontrar um portão gradeado com lanças pretas, com grandes correntes o trancando.

Ao lado do muro está um homem apoiado e sentado no chão com uma tala na perna direita e voando sobre o muro um filhote de dragão verde.

Konan: – Estes são 2 dos 3 que viemos resgatar, um deles pagará por seus atos e precisará ficar aqui, mas tenho de levar o medalhão que ele carrega e o dragão deve vir com o 3º . Disse meu mestre.

Brian sem saber muito com que o jovem ele diz  – Senhor o que devemos fazer agora?

Konan: — Precisamos ir para o outro lado. Só que existe uma armadilha para quem escala o muro. Só com o arco não irá conseguirá quebras as correntes. Não sei, é pedir muito que se arrisque. Quem sabe aquele homem tem algo que possa ajudá-lo.

Konan se aproxima do humano de perna quebrada. Devagar enquanto aguarda sua resposta.

Brian:– O senhor tem certeza que quer pedir ajuda senhor ? Fala meio desconfiado

Konan: — Não tenho muitas opções?

Brian—Não. Desvia o olhar e vai em direção ao humano.

O guerreiro olha para os dois. – Mais gente – De onde vocês vêm?  Porque não ajudam Noah. Ele já deve ter morrido. Maldito seja este dragão que não segue em frente.

Brian– De onde viemos não importa, mas quem é o Noah?

Brom:- Noah é o homem que me ajudou com a perna, depois ele escalou o muro e sumiu, outro homem chegou e foi atrás dele e já passaram alguns minutos e nada.

Brian: — E o cavalo que vi o rastro lá atrás você sabe de quem era? Fala avaliando a perna do humano.

Brom- Cavalo parece que Noah falou algo.

A perna está com um ferimento que precisa de cura mágica para se restaurar só a cicatrização humana não é capaz de curá-la.

Brian:– O que ele falou, pode me dizer? Desistindo da perna e começando a procurar o seu lobo.

Brom- Ele seguiu uma carroça até aqui, parece que a mesma atravessou os portões.

Brian:– Para entrar é só pelo portão? Dizendo enquanto vê o lobo perto de uma árvore.

Só tem o portão ou o muro, mas parece que ele tem alguma armadilha.

Brian– O seu amigo subiu por onde?

Brom: – Os dois pularam o muro.

Brian olhando agora para o jovem aprendiz fala – O que o senhor acha de eu subi lá?

Konan: — Como falei acho um pouco demais vou ver o que posso fazer para ajudá-lo

Antes que escale o aprendiz desenha uma runa no chão e tanto Brian quanto Konan começam a voar e conseguem chegar ao muro, agora só precisam atravessar para o outro lado. Brian passa o outro lado e obseva à movimentação do lugar

Do lado de dentro do portão você parece estar numa floresta morta, às árvores foram desfolhadas a tempo, os troncos mostram idade avançada, a terra é cinzenta e a estrada leva a um lugar que cheira a morte. Túmulos de pedra marcam os túmulos com seus nomes, datas de nascimento e falecimento.

Floresta Morta

Só que as datas se destacam por que mostram palavras que representam as guerras: Banho de Sangue, Terra Negra, Sacrifício, Guerra, Foice, Martelo, Escudo, Túmulo, Crânio, Extermínio, Espada e LEI.

Brian: — Senhor você tem certeza que é esse o caminho? Esse lugar não me agrada as narinas fala tampando a boca e o nariz com a mão. – O que o Senhor quer fazer agora?

Konan: – Seguimos em frente.

Vocês seguem até a duração da magia terminar e precisarem descer no solo cinzento do local. O cheiro permanece um pouco mais fraco. Quando começam a ouvir vozes a alguns metros. Gritos de diversas pessoas e uma correria.

Brian:– Senhor você pode espera um pouco aqui!  Brian chama seu lobo para ir ver o que é aquele tumulto.

Konan: — Lembre-se que sua vida e do animal é mais importante do que sua missão para comigo. Qualquer perigo se afaste e se esconda. O aprendiz procura se esconder atrás de uma das lápides se cobrindo com seu manto.

Brian: – Obrigado senhor não me esquecerei dessas palavras –  Andando em direção a confusão.

Vocês seguem em direção ao norte e encontram com um homem – 1,78m 78kg, fisico de um trabalhador rural e caçador, um pouco forte, porém não muito somente o básico adquirido durante seus anos de trabalhos e caçadas. Sem marcas individuais, com um rosto simples – correndo carregando um meio-elfo paralisado. Atrás dos dois um grupo de guerreiros com Cota de Malhas vem na direção falando algumas palavras em idioma estranho e clamando “Por Reinheit”.

O grupo de guerreiro que o persegue é formado por 4 homens.

Brian:  – Senhores o que acontece aqui?

O humano dá sinal para correr em direção ao muro. – Eles querem as nossas cabeças pela invasão.

Dois dos perseguidores arremessam seus machados. Brian tenta esquivar e mandar Vento em direção a um deles. Os machados não chegam a Brian, mas acertam o homem que corria nas costas.  Ele tomba deixando o meio-elfo cair.

São 4 inimigos dois agora estão desarmados porque lançaram seus machados outros dois portam espadas curtas típicas de luta de arena.

Brian pega seu arco  – Vento ataque – ordena o lobo enquanto prepara o seu arco.

Brian se coloca em posição e dispara duas flechas certeiras nas pernas de um dos perseguidores. Ele cai devido ao ferimento. Seu lobo aproveitando da queda dá uma mordida na perna do alvo. O homem cai e o lobo tenta rasgá-los com suas garras, o homem consegue girar escapando da primeira, mas a segunda é certeza.

O guerreiro ainda com os dois machados pede que vá embora e arremessa algo para você, parece um medalhão, o homem começa a aumentar de tamanho e se torna um dragão branco.  Voando em sua direção e agarrando o corpo do meio-elfo.

Dragão Branco

O chão abaixo dos guerreiros começa a se tornar um lamaçal e eles afundam. Konan corre na direção do dragão e pede que suba também, nossa missão era resgatá-los com vida, lutar vai levá-los morte e ameaçará a segurança do medalhão.

Brian– Sim senhor – Indo em direção ao dragão.

Vocês voam em direção ao muro, enquanto os guerreiros ficam presos a lama. Só que ao chegar ao muro uma força invisível bloqueia a passagem do dragão. Konan conjura voo sobre os dois e tenta ultrapassar a barreira levando o medalhão…

… os dois conseguem passar pela barreira, mas o dragão com o meio-elfo ficam pelo caminho e são cercados por uma espécie de jaula feita de eletricidade.

O dragão filhote tenta ir a sua direção, mas ao ver o amuleto com vocês entende que deve segui-los.

Brian– E agora senhor, o que iremos fazer – fala olhando assustado para o aprendiz.

Konan estica o braço e o dragão que não caberia ali se aproxima. Sinto pelos dois que ficaram, mas se atravessarmos agora o medalhão e a missão ficarão em risco e melhor levarmos eles conosco, aponta para o dragão e o homem que estava do lado de fora do muro com a perna quebrada. Concorda?

Por fim a quarta runa, você é um homem loiro alto com calça branca, uma corda negra na cintura, camisa branca sem mangas e faixas nos punhos com os olhos fechado correndo num labirinto, ele se depara com uma porta e canaliza energia em forma de vários espíritos no seu punho destruindo a porta. Lá dentro quatro estátuas de pedra colossais parecem servir de suporte para 4 esferas com as cores das magias exceto a verde.

Um pouco depois o homem loiro está com cinco esferas de vidro das cores da magia. Ele toca nela e elas se acendem, uma energia multicolorida começa a rodeá-lo.

No fim de todas as visões você verá cinco homens gigantescos do seu ponto de vista nas sombras no que parece o céu noturno, parados ali sob o nada.

Primeiro: – Tem certeza disso? Não acha arriscado começarmos algo desse ponto de vista.

Segundo: – Não. Acho que assim as nossas criações terão forças para lutar contra tudo que existe, já nos preparamos para uma rebelião entre nós, criando tudo que os Cinco Antigos pediram. Agora é hora de prepararmos o futuro.

Terceiro: – Eu concordo é melhor que eles sejam fortes mesmo.

Quarto: – E quais serão as regras?

Segundo: – Iremos conversar com calma, não pode ser algo muito fácil e também nada impossível, não cabe aos humanoides atos impossíveis.

Quinto: – Então vamos definir tudo isso antes de começarmos a criação…

Algum tempo depois disso, o segundo aponta o dedo e dele sai uma forma humanoide.

Segundo: – Dessa vez seremos nós os responsáveis e você o guie, a primeira tentativa foi frustrante espero maiores avanços dessa vez.

Criação: – Já escolheu as almas?

Segundo: – Quatro delas. Preciso de pelo menos oito.

Ele caminha até um grande lago tira uma gota de água e assopra, virando uma bolha branca e arremessa a um planeta.

Segundo: – Este foi um bom líder em sua primeira missão deve dar tudo de si agora.

Criação: – Que assim seja!

… salta na terra atrás da bolha que nasce na Fonte Mágica é você Seth.

Lycan receberá uma visita de Raizo dizendo que precisa que o grupo perca as esperanças do que buscam, indo para o lugar errado, diga que as espirais brancas representem que eles andaram em círculo para nada, e para seguir com suas vidas, para ver o efeito.

Depois que o ninja de olhos alaranjados vai embora. Lycan se lembra da visão que o monge que falou e viu várias vezes, dos corpos do grupo, das carcaças e de se sua luva que pode roubar almas, e agora entende que estava vendo o futuro. Onde ele se levantará após a queda de todos. Seu olho acende em chama e ele pode tentar controlar, mas o alvo dessa vez é Yves. Lycan vê novamente o corpo do homem-urso no chão e ele pegando o item que o possibilitaria desviar o curso do grupo, levando uma parte importante consigo só que consegue evitar o controle total dispersando as trevas.

Claire depois de muita pesquisa descobrirá que um dos homens que apareceram na visão de Zero e de Seth, e o Coronel Hadamant´s líder da Rosa da Alvorada, um destacamento de Carancasto que mais tarde viria a se o motivo da fundação da Ordem do Sol.

Tal destacamento ajudou a proteger ataques de soldados que não passavam no treinamento da Armada Rubra e atacam mercadores que precisavam levar produtos as cidades no deserto. Num conflito entre a Armada Rubra pela morte de seus soldados, mesmos não admitidos no exército e um destacamento de cinco homens da Rosa da Alvorada, o Exército Vermelho venceu e os cinco homens desapareceram na história num período entre 15 a 18 anos no passado.

A divisão Rosa da Alvorada foi dada como extinta há 15 anos, em ato de homenagem realizado pela Ordem do Sol na capital de Carancasto, Arancione. Todos os homens tiveram uma cerimônia representando seu sepultamento, foram enterrados como heróis pela bravura de enfrentar o maior dos exércitos: A Armada Rubra. Falam que alguns com sequelas ficaram loucos, perambularam pelo deserto, os com sortes foram acolhidos por reinos e ainda vivem lá sem saber direito o que aconteceu, outros com azar morreram e foram naturalmente enterrados na areia da Fornalha do Inferno.

Só que um deles foi visto anos mais tarde. Um homem com o medalhão da Rosa Alvorada, o Coronel Hadamant´s da Ordem de Quimera. Até que ele desapareceu numa cidade chamado Sablon, uma cidadela fora das muralhas de Majien.

Claire fala que deveriam ir a Sablon, só que evitando o teleporte pelo menos para dentro da cidade, porque diz que as magias usadas na área do reino de Majien têm efeitos adversos.

As espirais começam a formar um desenho, o desenho do Medalhão do Caos. As bordas pretas mostram dois mapas separados por uma linha, um de uma cidade pequena – Sablon e outra de uma Construção de Pedra de um só andar sem localização. Ao colocar o medalhão todos do grupo são transformados para Sablon só que sem suas mascotes e Kamali que fica para trás.

Sablon é uma cidade de médio porte que fica fora das muralhas de ferro da cidade, a cidade principal mais próxima daqui é Oborobas que é a cidade que criou a Raça Makkyn-na. Hoje eles estão espalhados por Sablon e realizam o trabalho braçal da cidade e de guarda das fronteiras. A cidade hoje continua comercial, ele vende materiais que não fogem com o acordo de invenções da capital Nireva.  Aqui podem ser encontrados: pólvora, ImagineX, o sistema de comunicação de Waffen, OCs, Mangueiras de Água Quente para Makkyn-nas, Baterias Reservas de 6h, 8h e 12 horas de duração, Gerador de Calor e Frio e para exércitos ainda é permitido vender Bombas Explosivas e Espadas Metálicas travadas. Os preços variam muito, mas normalmente são próximos ao vendidos fora do reino com pequenos descontos.

A parte de alquimia da cidade no passado, hoje não existe mais, as famílias aqui migraram para Symia depois da briga interna entre o reino das Máquinas. A cidade tem espaço para todos, mas com funções diferentes, guerreiros treinam os Makkyn-na sem experiência de combate, ladino roubam peças e projetos de concorrentes numa guerra fria, magos treinam na cidade devido às dificuldades de conjurar magia aqui. Atualmente não havia magos na cidade, até a chegada de Seth e Yves, eles sentem que a magia aqui não tem somente mana baixa, ela não flui é confusa, difícil de trabalhar.

O grupo pode procurar pela cidade, que tem a área residencial, as casas abandonadas dos antigos alquimistas, a velha da antiga Sablon ao norte, a parte comercial, a biblioteca, a área de treinamento das Makkyn-nas e o poço.  A cidade é igual ao mapa, mas não tem nenhuma construção semelhante à outra que surgiu ali.

Ao passar pelas casas antigas você vislumbra uma briga entre dois homens estranhos, um com roupas de comerciante e outro com trajes de viagens, claramente um MaDon.

Marco De Luca – Vejo que acabou seu serviço alquimista, então já pode dar o fora daqui de Sablon. Tem dois dias para isso. Aqui está o dinheiro que lhe prometi. É melhor que eu não veja a sua cara nunca mais.

Karpsh – Pode deixar que vou sair da cidade, obrigado sr. De Luca

Karpsh se afasta rápido mais sente algo de errado com o rico comerciante que pediu suas poções.

Algum tempo depois em Sablon, uma janela se abre e De Luca conversa com um velho senhor com trajes rasgados.

Marco De Luca- Consegui o que lhe pedi?

Velho – Sim senhor. Aqui está o ingrediente para os 3 rituais, mas são muito perigosos, só de invocar estes homens e o poder que deseja a cidade toda correria risco de ser destruída no processo.

Marco De Luca – Você já foi pago, vá embora rápido e se descobrir que deixou escapar uma palavra sequer do que só nos dois sabemos, não existirá amanhã para o senhor.

Ao passar pela biblioteca, você volta as Montanhas Gélidas onde estava a Fortaleza Wyvern e a vila que havia embaixo destruída pela nevasca, o lugar chamada Triskian. Cinco criaturas sem corpos rodeando a área, uma delas traz o corpo do homem que recebeu o dinheiro antes, Karpsh, para um homem de aparência jovem com o braço enfaixado com uma tala de ferro, um tapa olho vermelho, usando uma armadura pesada negra, com os cabelos negros cobrindo o olho bom, alto, humano ou semelhante a um, com botas pesadas de inverno e uma espada larga com runas arcanas em seu cabo.

Parecia o outro homem da discussão um pouco mais velho e agora mais semelhante a um guerreiro/aventureiro do que ao comerciante de antes.

Primeira Criatura sem corpo – Sabemos que nos enganou para destruir este lugar e fazer jus a sua vingança.

Espectro

Segunda Criatura sem corpo – E que pretende nos prender novamente no Medalhão

Homem – Eu. Não me interessa o que vão fazer se quiser destruir o mundo, ok.

Terceira Criatura sem corpo – Fala isso por causa dos outros dois rituais não é.

Quarta Criatura sem corpo – Sabe que não pode deixar herdeiros.

Homem – Eu serei o meu próprio herdeiro e esconderei o meu império se o mundo continuar existindo: criaturas do caos.

O homem aparentemente morto abre os olhos e fala algumas palavras em idioma desconhecido, seu corpo começa a se desfazer deixando só um medalhão caído na neve, os espíritos são presos no item e o outro homem lançado para longe.

Próximo ao poço da cidade. O homem de antes arremessado para longe está do lado de fora da Fortaleza voadora com a mesma descrição de antes.

Homem – Finalmente a magia que me impedia de voltar a este lugar cessou. O que terá acontecido com o Medalhão e o com o filho de Karpsh. Será que o menino ainda vive, se sim será por pouco tempo.

Ele tira a espada da bainha e cria asas demoníacas voando até a Fortaleza.

Enquanto isso os pontos vermelhos de Fabregas se desviam para a cidade e aterrissam próximo a ele, ao pisar no chão criam um campo que desliga todos seus itens tecnológicos.

Uma consideração sobre “Um novo capítulo na história de Inpergoh – As respostas guardadas nas vidas passadas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s