Um novo capítulo na história de Inpergoh – Caminhos separados

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Após entrar no último dos ciclos, aquele formado por magias negras, controlados o grupo se enfrenta pelo último pingente e a saída de Akhira.

Durante a batalha eles têm sua energia roubada do corpo se enfraquecendo. Depois são atingidos por uma esfera negra que surge no centro, explodindo. Da explosão surge um zumbi gigantesco, confundindo os até então aliados no ciclo negro.

 

Os espíritos são trocados. O zumbi cai, um fica de pé e o a barreira de controle mental é desfeita.

Claire e Zephaniah ainda estão em conflito desde o primeiro dos ciclos, onde cada um tinha uma opinião, e a barda confiou em seus instintos.

Uma ponte surge da ilha principal para outra menor.  Além da ponte é possível encontrar a terceira parte do instrumento que estão montando. Agora a caixa e o braço do bandolim estão visíveis.

O grupo vê o barco que os trouxe se aproximando com Kamali e os mascotes, eles embarcam e são encobertos por ondas gigantescas, o navio tomba e eles estão novamente no mar agitado.

Tentam nadar até a superfície e ajudar quem não consegue, quando escutam pessoas começam a falar alto e os puxando até a areia.

Blocos de pedra branca podem ser visto no mar, e ao abrir os olhos eles estão de volta a Vila de Ross como a conheceram.

As fotos de Jacques e os itens são a prova de que viajaram para o passado.

Todos se sentem cansados e os pescadores falam que eles sumiram faz cinco dias, que os responsáveis buscavam todo dia nos arredores da Torre na esperança de encontrá-los e nada.

Ao amanhecer, Kamali pergunta a Lycan e Zephaniah para onde ir agora, devido a tudo que aconteceu ele está em dúvida, quando Baeleor finalmente surge.

Baeleor: – Finalmente voltaram do oceano. Parece que as trevas o dominaram não é Lycan, mesmo não nascendo um Andakhara, se tornou um deles.

Ele se senta calmamente – Descanse mais um pouco e depois te darei algumas lições que como utilizar suas novas habilidades, Baeleor mostra um medalhão negro e de dentro de uma algibeira feita do fígado de algum animal ele tira duas pedras negras e joga para Zephaniah.

Baeleor: – Procurei onde Kamali disse ter te encontrado e achei isso, significa algo para você?

Zephaniah olha as pedras e não reconhece nada, mas elas somem em suas mãos e ele vê novamente na cena descrita por Kamali onde lutava contra inimigos invisíveis na floresta, centenas de bárbaros em formas translúcidas como ficou há pouco tempo atrás o perseguiam pela floresta, e mesmo sem encostar-se a ele, o arremessa contra árvores e o jogava contra o chão, a cada golpe dele ao invés de sangue, fragmentos de luz esverdeado saiam do seu corpo, até que um maior escapa e cai ao seu lado tomando forma humana e você desperta.

Jacques guardou a história do seu avô para si, e Yves fala que sua visita a Kaupellinen no passado não revelou nada sobre sua família que ainda não vivia lá. Na verdade ele sabe pouco de sua família, suas lembranças são apenas do avô que o criou, ele pergunta a Jacques o que descobriu.

Ahstan ainda vê Claire triste sem saber os motivos, ela continua não querendo falar do que aconteceu em Rauptasalick. Uma concha aparece no bolso do agora guerreiro/bardo, uma concha amarela, ao pegá-la ele escuta a voz de Noa.

Noa: – Amnésico. Bem vindo aos cális.

Sua roupa muda sozinha, uma corrente negra envolve seu sabre e símbolos de Carancasto que aparece nas moedas de ouro aparece ali.

Noa: – Por ora está livre, mas o mestre está prestes a descobrir algo sob o paradeiro de Voltakz e irá pedir sua ajuda, se ainda andar com o Zero avise ele.

A voz de Noa some.

Seth vê o próximo item da lista da esquerda, já que o da direita pulou e surgiu sangue da pessoa que irá fazer o ritual, que não precisa encontrar. O próximo item parece ser a segunda parte do braço do instrumento.

O desenho das rotas oceânicas parece se alterar para uma espécie de fortaleza em formato de um Wyvern.

Fabregas continua com seu mapa travado para a 6ª peça e fica por conta agora.

Ao terminar o desenho no mapa, o grupo todo vê o céu escurecer, um ponto de trevas surge dele revelando a fortaleza do mapa, de lá de dentro várias criaturas de trevas saem em suas direções, entre elas você reconhecem Suoen, as Magias Vivas Negras, o ninja da Torre Branca, com outra máscara e Raizo, Olhos de Fogo.

O grupo desperta de uma visão coletiva.

Seth imediatamente pede ajuda a Claire e ela fala que a Fortaleza Wyvern é uma fortaleza voadora pertencente ao grupo conhecido como Kamisan Shokushu que pode se transportar para qualquer lugar onde a magia flui normalmente com exceção de Majien, Imansiz e Fahrzeug, alguns acrescentam Rhyfel à lista devido às propriedades do deserto.

Símbolo do Kamisan Shokushu

Ahstan agora um cális amarelo de verdade vê uma aura negra sobre Jacques, mas por ora pensa nas consequências do que pode fazer.

Fabregas ainda não acabou o seu treinamento de cális, mas viu que devido ao teste que fizeram com Noa não é preciso voltar a Shikahu para receber seu traje cális.

Jacques pode tentar contatar seus marinheiros, mas os mesmo já passaram por Maksla há dias seguindo viagem para Kalt.

O grupo de Kamali junto com Baeleor vai para floresta treinar independente de qualquer contato com o outro grupo, eles parecem que não querem mais ficar junto desse pessoal que os trata tão mal.

Zero parece sentir que Volkatz está no lugar que viu a pouco na visão coletiva e procura quem pode ajudá-lo.

Como a Fortaleza pode estar em qualquer lugar, o primeiro passo é realizar pesquisa a respeito.  Só que três grupos parecem ser objetivos próprios agora, só Seth, Claire, Zero e Katsulee, e talvez Fabregas estejam dispostos a seguir em frente.

Ahstan terá que agir como cális amarelo e talvez alterar suas reações com seus companheiros mais abastados como Jacques, Seth e Fabregas.

Fabregas pode gastar o seu tempo na cidade aprimorando sua habilidade com os itens tecnológicos com a recém-adquirida quinta peça enquanto o mapa não destrava, ou exercer seu papel de cális negro.

Lycan, Kamali e Zephaniah treinarão uma semana com Baeleor, ele explicará sobre os poderes das trevas de Lycan, como funciona a manopla e o que pode fazer com suas flechas de trevas e a flecha caçadora também.

Seth e Claire começam a pesquisa sob a forma de encontrar o rastro da Fortaleza Wyvern, enquanto Bresinger procura um lugar especial, uma caverna pouco arejada e recolhem serpentes, velas vermelhas, pedaços de carvão, um caldeirão, ervam e preparam tudo para o Ritual da Alma de Fogo.

Seth precisa ficar sozinho naquela caverna sob o calor da caverna, do caldeirão sempre queimando com uma madeira especial de Vandalur, preparada com ervas e escamas de serpentes do fogo, dentro de um octograma feito com velas vermelhas e carvão. O ideal para o ritual ter total perfeição é de 3 dias.

A cada dia ele resistir para não dormir, comer ou beber. Se falhar o ritual precisa começar do zero.

Ao final Seth irá compartilhar traços de elementais do fogo, e uma escama vermelha irá envolver seus cotovelos e pescoço ganhará resistência a fogo por um tempo limitado.

Continua nos próximos pergaminhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s