Um novo capítulo na história de Inpergoh – Círculos de Fé

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

O pirata e comerciante Jacques descobre o seu passado e sua ligação com a missão de coletar itens que parecem caixas de madeira e ingredientes para o Ritual dos Ciclos Infinitos.

Jacques agora sabe o porquê de se envolver em tudo isso, mas resolve guardar a história para si, só contando à parte que os levará adiante no mar onde o avô encontrou os espíritos.

Pagando por um barco e deixando o Triumphatus para trás. Eles seguem pelos mapas marítimos antigos rumo a Rota dos Espíritos. Jacques guia dessa vez, enquanto o grupo com exceção de Fabregas, em sua missão pelo TecV, o ajudam na navegação pela área perigosa.

Após alguns dias de viagem chegam a uma região calma do oceano só que com uma névoa densa que não permite ver a frente.

O navio começa a descontrolar e começa a girar em direção anti-horária. E parece se chocar com outro navio, mas depois no choque inicial e ele é atravessado por outro navio, o grupo não sente nada, logo percebendo que parecem estar flutuando com seus corpos abaixo presos uns aos outros por um fio de prata, com exceção de Zero que o fio de ligação parece ser vermelho sangue.

Vocês podem flutuar além da névoa, acima ou abaixo do navio e a frente se deparando com 7 espíritos conhecidos, aqueles que viram suas mortes na Torre de Rocha Branca no fundo do oceano, antes de voltarem no tempo.

Cada uma dela se aproxima de vocês e tentam falar, mas suas vozes parecem perdidas, a maga Adelaide mergulha no mar e chama o grupo para ir junto com os espíritos a acompanhando.

Diferentes de vocês, Kamali e os todos os Mascotes do grupo parecem estar desmaiados, mas seus espíritos não saíram dos corpos. Os dez podem seguir para o fundo do mar.

Depois de flutuar levemente, seus corpos ficam pesados, tudo que era branco se torna azulado da cor do mar e vocês chegam a um novo oceano com o mesmo navio lá, sem a névoa e com seus corpos, e os espíritos não estão mais ali, só um caminho cheio de pedaços de navio.

Ainda não é possível voltar para os corpos. Mas com a força da mente é possível conduzir o navio, eles navegam pelo mar e avistam outras embarcações. Mas nenhuma delas parece perceber ou interagir com vocês.

 Até que um espírito surge no centro do navio… Ele para por um tempo e procura por Jacques.

 

…: – Olá capitão me chamo Gerloff. Sou o primeiro imediato do Navio “Benção da Serpente Negra” e durante nossa última viagem pelo Groauss encontramos a chamada Rota dos Espíritos e ficamos presos aqui, e parece que este é o destino de vocês.

Gerloff: – Meu capitão O´Malley encontrou um homem durante um dos nossos choques para tentar passar a barreira que separa a Rota do Groauss e pediu que entregasse ao novo capitão de um navio de nome Triumphatus, esse pacote e este mapa. É isso. Boa Sorte para vocês e talvez nos encontremos de novo nos mares infinitos da Rota.

O espírito some se desfazendo em fumaça e no saco há um mapa para o que parece ser a Ilha Akhira e um galho de uma erva verde translúcida, Seth pode identificar como a Erva Espiritual.

Parece que a possível saída daqui e da prisão do tempo é Ilha Akhira.

Seguindo o novo mapa chegam a Ilha Akhira, lá seus espíritos se incorporam aos seus corpos de novo e os que estavam inconscientes despertam.

Ao descer na ilha vocês veem que pequenos tocos de madeira parecem limitar a parte de desembarque da praia de outro lugar. Ao passar ali outros tocos saem do chão e uma barreira elétrica cercam todos vocês.

Sem instruções o grupo fica em dúvida se deve sair da barreira ou não para encontrar o que buscam aqui. Eles se dividem. Quem fica na barreira, sofre um efeito de fraqueza, que os coloca a prova novamente. Ficar ou sair?  Seguido de jatos de chamas, invocação de um demônio e o corpo da criatura transformado num Elemental de Terra.

Os poucos que resistem ou não saíram da barreira recebem um pingente. Três pessoas somem surgindo próximo de outros círculos de toras de madeira.

No primeiro deles ao entrar surge uma barreira de gelo. Uma aura azulada cobre o mais ferido lá dentro. O grupo tem sua velocidade de reação reduzida e a seguir uma gigantesca onda os empurra em direção a barreira, quem resiste ao congelamento, enfrenta um Elemental da Água e os que chegam até o final ganham um novo pingente. Entre eles quem está melhor é teleportado para o 5º Ciclo.

Em outro círculo – uma barreira de espinhos fecha o local – lançando espinhos envenenados. Uma revoada de morcegos drena energia do grupo. Enquanto o mais fraco é curado. E um Centauro é invocado para a batalha, ao final, os que resistiram ganham o terceiro dos pingentes e um deles segue para o 5º Ciclo.

No quarto ciclo – uma barreira igual a um espelho refletindo todas as cores gera efeitos aleatórios. Incluindo um que mata. O grupo é sensato e resolve não sair. Sendo paralisado. Um deles é congelado no tempo, enquanto os outros são banhados por uma chuva prateada. Que o impede de curar.  A barreira se desfaz, alguns ganham pingentes e um do grupo se une a dois companheiros dentro do 5º Ciclo.

Lá dentro eles são jogados um contra os outros por um efeito de controle. Que comece a batalha final pelo último pingente.

Continua nos próximos pergaminhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s