Um novo capítulo na história de Inpergoh – Encontrando a saída

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Em Inpergoh com pequenos grupos formados, enquanto alguns estão sem pistas e seguem sua intuição, outros estão presos em armadilhas. Como irão escapar?  Descubra abaixo.

Presos Zephaniah, Lycan e Kamali procuram o que fazer, só com força e suas armas eles não podem abrir a passagem. Zephaniah então tenta mover as estátuas sozinho e com a ajuda, mas mesmo com toda a força do grupo as estátuas mal se movimentam.

A água chega aos seus joelhos e eles ficam sem saída, os pensamentos de Lycan de que a resposta está ali faz com Zephaniah tome uma atitude perigosa, ele pega um pouco da água negra e bebe, pedindo que seus companheiros façam o mesmo.

Ao beber a água, Kamali enrijece até se tornar pedra, com Zephaniah não acontece nada e Lycan começa a emanar uma aura negra e surge em seu arco três elos feitos de trevas.

Junto a isso, a passagem se abre e a água escoa, mas a criatura dos pesadelos de Kamali, o Cão de Fogo com Três Cabeças surge na sala soprando fogo, derrubando os animais de Zephaniah e quase matando Lycan, salvo por seu companheiro que entra na frente da baforada.

Com Slane, sua serpente ainda consciente, o guerreiro da floresta é o único que resta para lutar contra o Cão de Fogo, usando todos seus recursos mágicos e envolvendo seu machado com o espírito elemental de gelo.

A batalha é dura, mas Zephaniah vence e o monstro volta a ser apenas fumaça, mas deixa no chão 4 objetos. Uma esfera vermelha, um pedaço de osso queimado, uma folha dourada e um frasco azulado.

Sem conhecimento de magia, ele corre para fazer os primeiros socorros com ervas que carrega em Lycan e tenta usar os objetos para restaurar Kamali que ainda está em sua forma de pedra. Ao derramar parte do conteúdo do frasco azulado em seu aliado, o mesmo começa a voltar ao normal.

Com tentativas e erros eles descobrem que a esfera cria chamas que se impregnam nas armas seja corpo a corpo ou flechas, o amuleto protege contra o fogo e a folha dourada, parece apenas uma folha comum.

Com todos os tesouros recolhidos, Kamali agradece por terem vencido a forma física de seu pesadelo e eles saem da caverna e rumam para o vilarejo de Lycan.

Eles tomam a Floresta Cinzenta até Belenus, que leva 5 dias de viagem, o frio continua, e Kamali com o colar resiste ao tempo mesmo em seus trajes bárbaros.

Ao chegar lá. A parte da floresta onde era a tribo dos Andakhara ficava se tornou um pântano, andar ali é difícil, há pequenos montes de terra, na verdade covas dos membros mortos da tribo.  Um pouco além é possível ver partes de animais penduradas nas árvores, o cheiro é muito forte, todos se sentem mal. Partes dos monstros de terra agora sólidos estão boiando no pântano. E outras atravessaram as árvores, não há sinal de vida nas proximidades.

Ao dar mais alguns passos lanças voam na direção do grupo, que desvia, exceto por uma que atravessa abaixo do ombro esquerdo de Kamali.

Uma criatura nas sombras surge no alto das árvores e pergunta: – Quem são os intrusos de tribos rivais?

Jacques, Yves, Claire, Ahstan, Katsulee Zero caem no subterrâneo.

Jacques reconhece o local e vê na parede algo escrito mais só entende a primeira parte e o final: GEN…  ….OU

Ao tocar na parede ele vê um calendário amarelo com a data de 13 Cye do ano 096, e algumas palavras ecoam por sua cabeça guildas de ladino, Aomero, Darkeria, Gaza, mangkut, 200, ouro, trem e Clã das Sombras. E no final 8º CICLO.

Jacques desperta de sua visão e conta o que viu.

Claire fala que 13 Cye (8º mês) não têm nada de relevante historicamente, que 12 Cye de 041 é a data da fundação de Rauptalasick e que em Okean que fica em Farhzeug capital Aomero há um encontro dos Mestres Cervejeiros neste dia.

Cye é o 8º mês do ano, mas nunca ouviu alguém o chamando 8º ciclo.  Gaza fica em Fem. Guildas de Ladinos existem diversas. 200 nunca ouviu referência a isto. Ouro é muito genérico e Mangkut é uma fruta típica de Glaven muito usada em amuletos de travessia, existem determinadas cidades que a gente só pode entrar com amuletos de travessia.

Yves concorda com que Claire diz e fala que não sabia metade do que a barda conhece.

Depois de alguns minutos as sombras que os trouxeram aqui enchem a sala e eles voltam ao navio, pelos hábitos dos marinheiros, Yves conclui que passaram 5 minutos desde que eles foram transportados.

Ahstan corre para seu encontro na estalagem e o Oficial de comunicações diz que tem um recado para Jacques.

Os prisioneiros Zero e Katsulee aparecerem junto a eles, falam que um mapa indicou aquela localização e outro é igual ao esboço que Ahstan viu na parede de uma casa abandonada.

Zero fala que precisa procurar Volkatz seu líder que desapareceu.  E Katsulee deve voltar à casa de seus pais, mas agora parece intrigado com o Clã das Sombras, fala que irá até a Estalagem Destruída antes. Zero pede para acompanhá-lo.

O Oficial de comunicações diz que o Patrono de Jacques, Hermes Turms informou que uma das suas encomendas já está em Darkeria.

Ahstan chega à estalagem.

A estalagem é composta de um grande salão de 15 x 20 espaços, com pelo menos 15 mesas de 4 cadeiras cada, atualmente está sem porta, destruída por dentro e toda revirada.  No chão há coleiras de couros com espinhos metálicos quebrados, um avental negro, poças de sangue, pedaços de gelo e poças d´águas próximas, marcas de lâminas e um cheiro forte de veneno.

Pedaços grandes de metal estão próximos do que foi a porta, Claire pode sentir uma aura mágica vindo deles e na frente há uma grande poça de sangue o que demonstra a morte mais violenta ocorrida ali.

Na parede há diversos canecos e armas de estilo ocidental, além de quadros de paisagens mundanas comuns também no ocidente. Pedaços de armas orientais como nunchakus, shurikens e adagas sai também podem ser encontrados.

Depois de um tempo Noa chega e fala que ainda não cuidaram do local, vira uma cadeira e pergunta se a garota é sua namorada? Claire dá uma corada.

Ele entrega um envelope a Ahstan. Parece uma carta enviada de Darkeria há dois meses e meio, falando que sabia da traição de Setsu, o cális vermelho, e que fenômenos ocorreriam depois que ele foi derrubado, que você chegaria à cidade depois dos raios. Nenhum dos seus sobrenomes está no envelope só o primeiro nome.

Noa: – E aí, é você? Chegou um pouco atrasado. Valiance e eu estamos com trabalho redobrado e o mestre está em fúria como sempre, tive que ficar meses sozinho na cidade já que o branco foi ao encontro de Volkatz e agora para piorar o mesmo veio à cidade com aquele revoltado que chamam de Zero e o dourado sumiu. Pum!

Ahstan não entendo muito bem o que Noa fala. O mesmo pergunta se Ahstan está disponível para começar o serviço e tira do cinto um bastão metálico que passa sobre o braço de Ahstan “realmente você é elétrico”.

Noa fala que a Longa Chuva como é chamada a chuva que caiu ao sul de Carancasto desde o final do ano de 99 trouxe não só objetos misteriosos com os símbolos dos antigos, mas também pessoas que se materializam em lugares onde não tinham nada depois que raios caíram.

Noa tira outro objeto do cinto parece uma pedra verde e a imagem de Valiance aparece, o mesmo é alto e musculoso, têm traços élficos, olhos azulados, cabelos brancos e longos e longas barbas e bigode branco, está todo de branco e parece carregar apenas um cetro com pedras coloridas, uma verde, outra vermelha, amarela e preta e um orbe maior que parece flutuar de coloração púrpura.

 “Valiance ele parece ser o Ahstan que mandou a carta o que manda?”.

Estou sem opções acompanha-o e o treine, diz o homem chamado Valiance. Noa sorri. “Deixa comigo”.

Noa fala que precisa ir a base pegar suas coisas e que volta antes da meia-noite, peça uma carona para o seu amigo riquinho. Por que vamos ao Parque!

Em North College, Fabregas não tem idéia para onde ir e resolve pesquisar sobre sua luva na biblioteca, onde Seth estava.

Seth procura sobre referências ao ritual e ao Portão das Memórias, sobre o segundo não encontra nada e já sobre o primeiro descobre que já foi realizado com sucesso uma única vez em Darkeria por guerreiro chamado Gilan.

Na figura Gilan parece um humano de pele bronzeada, olhos azulados e cabelos brancos carregando uma foice curta nas mãos, a foice é feita de gelo, ele está coberto com um manto negro com detalhes que lembram teias de aranha cinza, tem uma faixa de couro sobre o manto onde fica um arco composto branco e uma aljava com flechas transparentes, nos pés está com sandálias e faixas na altura dos joelhos e mãos.

Fora isso descobrirá que as palavras no portão são referências a uma cena vista por pessoas que tentaram fazer o ritual.  Memórias que vem do nada, uma luz branca que cobre tudo incluindo o mar, uma energia esverdeada que escapa dos olhos das pessoas na visão, as outras palavras por ora não acha referência. Ao sair da biblioteca ele percebe Fabreras.

Ao aproximar do ladino, o mapa mostrando onde estava à próxima peça do Esquema completará e indicará Darkeria.

Os dois irão ver seis relâmpagos caindo do céu sobre uma forte chuva e no lugar que eles caem aparecem um anão de barbas negras e avental sujo de sangue e um meio-elfo com uma bandana com um desenho de um lobo negro.

Seth os reconhecerá de quando desenhou o portão e seus nomes aparecerão nas capas de livros próximos: Omar, o anão e Basco, o meio-elfo.

Os dois precisam encontrar o meio mais próximo de ir a Darkeria e Bresinger irá falar que o ladino não apareceu em seu caminho por nada, para que Seth engula seu problema com pessoas estranhas e o chame para a missão.

Dali eles podem pegar o trem de teletransporte e chegar a Darkeria em segundos. O problema é o dinheiro, Seth tem de desfazer de quase todo seu dinheiro para pagar a passagem.

Em Darkeria eles se separam. Fabreras seguindo o mapa chega a uma taverna próxima ao porto, a mesma parece abandonada, sua porta não tem armadilhas, mas está trancada, lá dentro o cheiro de álcool é forte, há canecos de bebidas recentemente abandonados em mesas e um quadro de avisos com missões, uma delas mencione Majien e outra Hefestus. Ele procura e encontra um alçapão para um subsolo.

Seth pesquisa sobre Omar e descobre que outras duas pessoas vieram mais cedo procurando sobre o taverneiro. Parece que ele está na Taverna de Voldestrich.  Dois homens mal encarados com roupas de pirata começam a segui-lo.

Fabreras chega ao subsolo após descer em uma escada improvisada de cordas, se deparando com uma adega com produtos frescos, mas o local em si está abandonado, sem limpeza, o mapa continua apontando para algo ali até que ele acha um cofre, após desarmar a armadilha ele arromba o cofre.

Dentro ele encontrará 2mil moedas de ouro, alguns documentos de transações com o mercado negro e uma terceira parte do esquema.

A parte faz com que a luva fique mais grossa e cubra toda a mão, sua coloração muda para branca e em cima dela aparecem inscrições num idioma desconhecido, que libera uma nova habilidade onde pode roubar habilidades de seus oponentes.

Quem são os piratas que perseguem Seth? Quem atacou Kamali e seus companheiros? Como será o treinamento de cális e o que quer dizer a carta de Ahstan. As respostas virão nos próximos pergaminhos.

Até lá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s