Como explodir uma mente

POR LEONARDO “SILVERBOLT”  DIAS

Depois de um tempo é hora de atravessar para outros universos, mantendo a história de onde parou o episódio 9 veio começar a esboçar o que acredito ser apenas o arco da metade da temporada, por que o principal com certeza é sobre o retorno de Peter.

Para não falar o que não devo aqui, vamos a matéria com spoilers dos capítulos 4×09 a 4×11.


Fringe – 4×09 – Enemy of My Enemy

Fringe é cheio de surpresas mesmo e não falo só dos mistérios, o Broyles Shapeshifter do Lado D só para ficar mais claro – seria o Lado B da Linha de Tempo 2, me fiz entender? Provavelmente não é de Fringe que falamos, seguindo em frente.  Voltando ao Broyles ele estava preparado para matar, ou não sei ao certo o que ele faria coma injeção verde em Lee do Lado C – o Lado A da Linha de Tempo 2.

Quando chega o secretário com Peter e pede a liberação do prisioneiro, Olivia e Lee do Lado D parecem cair numa armadilha, mas conseguem capturar David Robert Jones e o trazer para Fringe Division onde ele começa a se fazer de difícil, falando que precisaria de um HD e sairia dali em poucos minutos.

O único fato que fugiu do planejamento de Jones foi o aparecimento de Peter, que não existe naquela linha temporal, contando detalhes sobre o prisioneiro que ninguém poderia saber, já que não há dados sobre ele além do fato que deveria estar preso em Frankfut, Alemanha.

Do Lado C, Olivia deixa o teatro para contar ao Broyles desse lado sobre a aventura de Peter e Lee, e deixa com Astrid uma amostra de sangue, possivelmente do Observador baleado.

Jones cumpre com sua ameaça e solta um vírus num hospital falando que fará cada mais estrago se não for solto, o Secretário acaba acatando suas exigências colocando um transmissor antes de soltá-lo, só que como sempre o vilão mais esperto e com ajuda dos seus aliados infiltrados ele coloca rastreadores em notas e as distribui pela rua, ocasionando uma confusão onde ele consegue escapar.

Investigando o HD descobre que Jones procurava por jazidas de anfilício e a Fringe Division vai ao seu encalço, só antecipando novamente seus movimentos ele colhe o minério do Lado C, fugindo a tempo de se comunicar com Nina “Evil” e falando que a Fase 1 está pronta.

Peter explica que o metal foi utilizado por William Bell numa bateria que pode acabar destruindo os universos com a quantidade de metal coletada por Jones.

Elisabeth resolve conversar com Walter depois que seu marido, Walternativo, lhe conta que vendo os esboços da Máquina talvez não possa ajudar Peter a voltar a sua Linha do Tempo, mas Walter conseguiu salvar Peter uma vez quando ele não conseguiu.  Com uma conversa emociante, ela convence Walter a ajuda Peter.

Só que o mesmo que parecia não se interessar pelo aconteceria naquela linha do tempo muda quando vê que Jones está envolvido, e as duas Fringe Division se unem como foi proposta no final da 3ª temporada para lutar contra o inimigo em comum, pelo menos o que eles sabem ser o inimigo em comum, levando que desconhecem sobre o Broyles Over There e Nina “Evil”.

Outra  coisa que é discutida é que há agentes infiltrados na divisão e que eles precisam ficar atentos, afinal segundo Lee do Lado C, Jones conseguiu muito rápido freqüência do rastreador para enganar a divisão.

Agora é esperar para ver o que acontece. O capítulo 10 desvia um pouco do curso dos 2 últimos.

Fringe – 4×10 – Forced Perspective

Como é bom quando um seriado sabe fazer fillers, que ao invés de só incomodar por ser um episódio ruim que foge da trama, temos um episódio com uma história que acaba se conectando a trama em andamento.

Olivia conta a Broyles sobre seu encontro com o Observador, e seu chefe diz que investiga os estranhos homens carecas há 3 anos sem sucesso, e que Olivia deveria se afastar por um tempo para não correr riscos desnecessários. Olivia acredita que o Observador não a estava ameaçando e sim a alertando.

Em seguida conhecemos Emily que pode desenhar o futuro e tenta alertar  as pessoas, só que pouquíssimo êxito, ela entrega o desenho para o homem e não fala muito. Se ela falasse alguma coisa o resultado poderia ser diferente.

Peter e Walter mostram as primeiras resoluções a respeito do uso da Máquina. Enquanto Olivia é chamada para o caso da menina que previa o futuro.

Logo ficamos sabendo que a família da menina sabe sobre seu dom, que já a fez mudar de cidade muitas vezes e assim como Olivia a mesma passou por experiências na Massive Dinamics.

Emily faz sua segunda previsão do episódio num trem, o que sabemos mais tarde – quando de fato vemos o desenho – se tratar de um massacre causado por uma explosão de uma bomba.

A Fringe Division consegue encontrar a família da moça e até fala com Emily contra a vontade do pai que a prefere longe do FBI, só que Emily acaba ligando para Olivia e passando por exames no laboratório de Walter.

Walter descobre a fonte de sua habilidade, a equipe corre atrás da identidade do homem do ônibus usando as famosas luzes vermelhas e verdes que hipnotizam que Peter ensina para Walter, falando que sua versão da linha A já havia utilizado.

Com o retrato e informações suficientes do alvo eles conseguem rastrear o tribunal e pará-lo a tempo com o discurso de Olivia sobre o futuro não estar escrito em pedra.
Oliva acabando procurando Nina sobre o envolvimento da Massive Dinamics e brigando com sua mãe de criação. O pai de Emily em paranoia vê uma van negra na esquina e achando que aquilo não ia acabar nunca resolve fugir, mas a filha já sabia de seu destino e volta ao lago – que sempre visitava- só para morrer congelada, falando que sua morte era inevitável, como Walter comprova falando que ela tinha uma doença que lhe dava as habilidades ao mesmo tempo que a matava.

Peter finalmente fica sabendo que Olivia pesquisa sobre os Observadores – por mais que ela não fale do encontro em si – e fala que eles vivenciam o tempo como um todo e não como nós e que eles dissessem que algo ia acontecer, isso já teria acontecido para eles e era um evento certo. Olivia faz a expressão de desesperada, mas contida.

E recebe a visita final de Nina que continua tramando algo, e fala que irá enviar novas drogas para enxaqueca de Olivia, seria as enxaquecas uma mostra de que suas habilidades do Corthexiphan estão retornando.

Fringe – 4×11 – Making Angels

Outro filler de Fringe seguido e só tenho uma reclamação, fico com medo da história principal não voltar ao centro da ação, mas acho que isso acontecerá em breve devido a cena final com os Observadores.

Um episódio para Astrid, as duas, uma atriz que tem participação pequena, mas importante na trama e que depois de Nina e Broyles, que anda mais participativo, fica apagada, chegou a hora dela brilhar.

Quando começamos a descobrir sobre a Astrid do Lado B dessa linha temporal que acaba de perder seu pai e resolve ir para o outro lado saber de sua contraparte como era sua relação familiar. Sua interação com Walter e com a Asterix, que dizer Astrid do Lado A foram excelentes.

A primeira vista o caso da semana tinha similares com do episódio 10, envolvendo Emma que podia ver e desenhar o futuro, só que agora a pessoa agia de outro modo, ao invés de salvá-los, avisava do sofrimento que passariam e então os matava com um composto que não existia ainda.

O personagem em questão se sentia um anjo salvando pessoas e para isso usava de seu conhecimento do futuro para encontrar uma maneira de levá-los, o que Walter chamou de Lágrimas de Rá.

É importante observar que achei que quando o outro professor do MIT, fala que ele pretendia criar equações que pudessem tornar passado, presente e futuro a mesma coisa, achei que isso que os Observadores faziam com os cadernos e aquelas bússola exóticas, que voltaram a aparecer neste episódio, mas como tudo envolvia o dispositivo azul que September perdeu quando salvou Peter em 1985.

Aí vem a questão, September salvou Peter de outra linha do tempo, ou será que na verdade estamos sendo enganados pelos produtores com a história de uma linha do tempo diferente, quem sabe as diferenças dessa linha venham só do fato de Peter não ter existido, ou ter morrido ainda criança nos dois lados.  Como então o dispositivo de outro linha do tempo estaria com Neil?

A relação de Walter e Peter que parecia tranquila no episódio 10 começa a desabar, mesmo com a Astrid do Lado B falando que ele deveria amar o Peter da outra linha – ? – como se fosse seu filho.

Outra relação tratada neste episódio foi de trabalho entre as Olívias, de um passado feliz antes da traição de Bolivia e Walter e da mesma com Peter, falando que ele é “bonitinho” já que na outra linha temporal, ambas as Olivia ficaram com Peter.

A cena com o pai de Astrid foi bonita e mostrou que a mesma mentiu para confortar sua nova amiga do Lado B.

Gostei de ver novas habilidades – o que pelo menos não lembrava dos Observadores – como atravessar paredes, a parte de abrir o cofre só com o dedo eu lembro. E fiquei pensando se o dispositivo dava a habilidade de ver o futuro, quer dizer que aquilo não é natural do grupo e sim de uma tecnologia. Se sim, de onde? Os Observadores são os personagens que depois de 3 anos e meio de série ainda tem todo o ar de mistério e sem respostas.

E com o líder do grupo reagirá a insubordinação de September e o mesmo está vivo depois do tiro?

Até os próximos episódios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s