Um novo capítulo na história de Inpergoh – Portões abertos

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Os contos dos aventureiros de Inpergoh continua.

 

Lycan cai no chão na divisa entre a Floresta de Fayas e o a cidade de Glauben, e Zephaniah que ainda aguardava por Kamali e não queria deixar seus animais na divisa sozinhos vê aquilo, os guardas também observam a cena incomum, mas não podem sair de seus postos.
Zephaniah se aproxima e vê que a queda não o deixou consciente, Lycan mal desperta e já questiona sobre o xamã e seu grifo, não sabendo do que ele fala, o outro ranger pergunta de onde ele veio? No céu não há a não ser um monte de folhas que caem bem longe das árvores.
Os guardas finalmente se aproximam realizam a leitura de aura de Lycan e falam que o mesmo está impregnado de uma aura maligna, que não parece natural, e sim de alguém com quem andou por algum tempo – Lycan fica pensando quem poderia ser – e por isso precisa ser levado para a base dos Relíquias Divinas para purificação.
Zephaniah resolve deixar os animais aqui e entrar na cidade para repor sua comida, enquanto Lycan é levado pelos Relíquias.  Depois de comprar o que precisava, Kamali reaparece como se não tivesse desaparecido, o grifo Zephyr – de Lycan – aparece na floresta assim como seu mestre. A dupla busca Lycan agora purificado e seguem ao monge da cidade que faz a leitura dos três, os dois porque ele não vê Kamali, mas o mesmo conta o resultado da sua leitura.

Kamali consegue fazer o exorcismo, mesmo que segundo o monge ele não estivesse na sala e fala que precisa procurar o foco do mal onde os pesadelos começaram e para isso deve voltar a Jangala.

Zephaniah em sua leitura descobre que uma Energia Negativa foi atraída pela Energia Positiva de Paikkhan e fez com que parte do seu ser fosse despedaçado. Com isso você perdeu conhecimentos do seu passado e para compensá-lo a Natureza guardou estes conhecimentos e lhe repassa na forma de compensações

O monge fala que Lycan não precisa mais de um xamã ou monge e que seu mestre é o único sobrevivente, e que o mesmo deve voltar a sua vila para se restabelecer por lá, mas que ele estava marcado por sempre ter corpos de animais sangrando sobre seus pés, e que até que cumprisse seu destino, que até então desconhecia ou as trevas o alcançaria.

Saindo de Benedetto com algumas informações, mas com muito mais coisa nebulosa, o grupo formado Zephaniah, Lycan e Kamali seguem de volta para pela Floresta de Fayas até o ponto que levou ao início dos pesadelos de Kamali.
A jornada agora levará 12 dias, e o frio parece cada vez mais severo.  Ao final eles chegam a uma região dentro da mata com um pequeno rio que desemboca em várias cavernas.  Dentro da caverna está o local onde Kamali teve seu primeiro pesadelo, ao tentar se aproximar uma carcaça de animal em chamas cairá do céu.  E formará uma barreia semelhante à Muralha de Fogo.

O grupo conseguirá passar por cima com Zephyr e a barreira irá se desfazer deixando apenas os ossos da criatura recolhidos por Kamali que os limpa na água do rio e guarda para fazer seu Machado Bárbaro.

Dentro das cavernas a escuridão é completa, porém Lycan e Zephaniah por serem meio-elfos enxergam normalmente. Kamali é guiado pelos dois.

Os corredores levam a três estátuas de pedra, um rinoceronte à esquerda, uma elfa com longos cabelos cheio de folhas até os pés, nua com os cabelos cobrindo suas partes íntimas e a direita um humanóide com a cabeça de um leão.

A estátua central começa a jorrar água negra e a parte de trás da caverna se lacra na mesma hora que Lycan sente o perigo, mas também sente que este não é o fim é apenas o começo, ele sente que a resposta está ali.

Jacques, Ahstan, Yves e Claire depois de se conhecerem e com o milionário Jacques decidindo dar uma carona a Ahstan e Claire finalmente terminam de carregar seu navio e sai para o mar.

A viagem parece correr bem até que anoitece, Ahstan é atacado como viu em sua visão, mas consegue derrubar o agressor, o navio começa a balançar, a noite se torna dia e eles batem em alguma coisa. Ao sair estão no porto de Tiakong, na cidade de Shihaku muito longe de aonde Jacques iria, mas no destino de Ahstan e Claire.

O assassino desaparece deixando só a adaga para trás.

Na cidade Jacques descobre que a mercadoria sumiu e logo que a mesma foi entregue há um dia em Darkeria, com o dinheiro já em sua conta.  Ele pega uma nova entrega para fazer e deverá carregar o navio nas próximas 12 horas.

Eles descobrem sobre boatos de pessoas sendo atacadas na cidade e desaparecendo, além de destruição de lugares públicos da cidade como tavernas e casas, e aproveitam o tempo para investigar.

Ahstan encontra um desenho que parece representar os cális e um homem misterioso chamado Noa que o chama para uma reunião na taverna destruída às 21h. Enquanto Jacques vai até a feira buscar informações.

No navio eles são capturados por uma fumaça negra e levadas a feira, encontram um rato de fumaça, um enigma (o mesmo da parte Encontros), uma passagem e chegam ao que parece ser a base do Clã das Sombras, ele resolvem um 2º enigma e entram na base encontrando duas pessoas amarradas.

Ao desamarrá-las, as mesmas despertam e se apresentam como Zero e Katsulee. Tentando sair do labirinto eles acabam ativando uma armadilha e caem chegando ao subterrâneo, num local com o qual Jacques já havia sonhado…

Seth e Fabregas passam pelo portal e chegam a North College. Na cidade eles se separam e Seth recebe seu diploma de formado, um colar com os símbolos das escolas que acolheu durante seu treinamento e um pedaço de pergaminho que lhe concede 300pts. o suficiente para trocar por uma poção de cura e outra para anular venenos e duas natural seeds uma que amplia seus conhecimentos dos estudos arcanos e outro que o faz proteger de uma queda.

Aproveitando de seu acesso a biblioteca você investiga sobre o Portão que viu na visão. Encontra sobre o Ritual dos Ciclos Infinitos – ritual realizado por pessoas que perderam suas memórias, ou que tem memórias das quais não se lembra de vivenciar para corrigir tais efeitos – depois disso utilizando sua habilidade especial ele desenha o portal e dá vida a ele que sai do papel e se torna uma versão menor daquele de sua visão, mas com todos os símbolos. Incluindo as runas que representam energia, tempo, espaço, fócus, memórias e luz.

Fabregas após descobrir que o Esquema tem mais 11 partes e que agora o mapa mostra com precisão onde procurar chega à cidade e segue o sinal até a base da guilda de magos negros chamada Adeptos de Faustos.

O jovem é recepcionado por dois esqueletos que lhe concedem um passe, dentro da guilda tudo está escuro, mas você ainda enxerga tudo branco e vai até a biblioteca onde o sinal parece estar mais forte, dali encontra um alçapão para as masmorras, onde encontra a 2ª parte do esquema presa a uma estátua metálica que lembra um dragão, ao remover a peça com cuidado a 1ª peça se une com a segunda e forma uma luva.

A luva pode lançar um gancho e pesa 0,5kg.

O mapa parece não completar a próxima peça e ainda não indica o seu destino. É necessário aguardar instruções. Fabregas dá meia volta e sai sem devolver o passe guardando com seu souvenir.

O destino dos heróis os levará até aonde, descubra na próxima parte.

Uma consideração sobre “Um novo capítulo na história de Inpergoh – Portões abertos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s