Top 3 – Até mangás podem ser eternos

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Como já perceberam sou fã da cultura japonesa, e uma das tantas coisas que prezo neles é o fato de saber que suas obras sejam tokusatsus, animes ou mangás precisam terminar um dia, e não estou falando de zerar as revistas, fazer reboot, novas origens, estou falando de finalizar.

Os HQs americanos não sabem exatamente o que é isso, seu heróis são eternos e os fãs sofrem com isso, os recursos acima mencionados servem para atrair novos leitores, ok, mas e os leitores de longa data o que ganham com isto? Nada. Afinal muito do conteúdo é alterado ou esquecido no processo.

Só que mesmo os japoneses as vezes esticam algumas coisas, afinal tudo que dá dinheiro deve ter “Vida Longa e Próspera” como dizia Spock em Star Trek.  E por isto que hoje revistas como a Shonen Jump continuam com algumas obras mesmo perdendo a qualidade, Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball apresentam novas idéias de mídias sempre que podem, seja nos mangás, animes e games. Onde puderem estar.


E tem alguns mangás que nem são tão conhecidos do público fora do Japão mais tem tantos anos de história, que chegaram a gerações da família, e não houve nenhum evento de zerar a história, a mesma dentro do possível é contínua.

São eles, o nosso top de hoje.

1)  Kochira Katsushika-ku Kamearikouen-mae Hashutsujo também conhecido como Kochikame de Osamu Akimoto  (1976-hoje) é o mangá mais antigo da Shonen Jump com 35 anos de publicações, 177 volumes encadernados e 1733 capítulos publicados.

Kochikame conta a história de Kankichi Ryotsu um homem de 36 anos que poderíamos considerar normal se as coisas fossem sempre são o que parecem. Se bem que é verdade que Ryo conseguiu um posto como policial na esquadra de Kameari, a sua capacidade de trabalho é inversamente proporcional à sua capacidade de manobrar estratégias importantes. Insatisfeito com o seu cargo, Ryo faz outras coisas para ganhar dinheiro fácil já é estremamente preguiçoso.

Li recentemente que talvez a Jump finalize Kochikame, mas não sei se a notícia procede.  É só para constar.

2) Golgo 13 de Takao Saito (1968-hoje) publicado pela Shogakukan na revista Big Comic  algumas vezes mencionada em Bakuman para quem lê.  Em 2009 o mangá com 150 volumes encadernados começou a ser publicado pelo JBC,

Golgo 13 vem de Golgota, a coluna onde Jesus foi crucificado.  O mangá  foi chamado como a versão japonesa de James Bond, exceto por um caráter mais sombrio, uma atitude muito mais graves em relação ao sexo, e uma completa falta de moralidade. Golgo 13 é descrito como um homem misterioso de origem indeterminada, a possibilidade de ser parte japonês pelo menos, que realiza missões para qualquer empregador (pode já ter trabalhado paraCIA e a KGB), enquanto o preço certo é dado e sempre cumpriu seus contratos, mesmo que ele tenha dois ou mais contratos adversos ao mesmo tempo. Ele é um atirador misterioso, com perto de 100% de precisão e capaz de disparar letalmente, e utilizar regularmente uma arma personalizada um rifle M-16 em seus assassinatos. Ele também é um fumante inveterado de cigarros.

3) Jitte Monogatari: Com pouquíssimas informações na internet, inclusive do número de capítulos e do autor, a única coisa de fato confirmado é que o mangá na terceira posição é Jitte Monogatari já concluído com 110 volumes no total.  Lógico que pelo fato de já ter sido concluído logo perderá seu posto.

O mangá conta a história do bandi de Eri, o filho do Deus General Koike Kazuo pelo período Edo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s