Sexta-feira 13, origem – e não é nome de filme

POR LEONARDO “SILVERBOLT” DIAS

Hoje é sexta-feira 13, que mal há nisso? Além é fato de alguma emissora de televisão sem ter o que passar colocar algumas das sequências do filme, afinal o original foi perdido. A primeira curiosidade relacionada ao dia é essa.


De fato, as possibilidades de explicação para esta crença se encontram difundidas em diferentes culturas espalhadas ao redor do mundo. Uma das mais conhecidas justificativas dessa maldição conta que Jesus Cristo foi perseguido por esta data. Antes de ser crucificado em uma sexta-feira, o salvador das religiões cristãs celebrou
uma ceia que, ao todo contava com treze participantes.

Outra explicação sobre essa data remonta à consolidação do poder monárquico na França, especificamente quando o rei Felipe IV sentia-se ameaçado pelo poder e influência exercidos pela Igreja dentro de seu país. Para contornar a situação, tentou se filiar à prestigiada ordem religiosa dos Cavaleiros Templários, que, por sua vez, recusou a entrada do monarca na corporação. Enfurecido, segundo relatos, teria ordenado a perseguição dos templários na sexta-feira, 13 de outubro de 1307.

Viu é assim que comecou o mal de certas datas lembra o estardalhaço do dia 11/11/2011, ano passado e a famigerada data do final do mundo no calendário Maia.

De acordo com outra história, a maldição da sexta-feira 13 tem a ver com o processo de cristianização dos povos bárbaros que invadiram a Europa no início do período medieval. Antes de se converterem à fé cristã, os escandinavos eram politeístas e tinham grande estima por Friga, deusa do amor e da beleza. Com o processo de conversão, passaram a amaldiçoá-la como uma bruxa que, toda sexta-feira, se reunia com onze feiticeiras e o demônio para rogar pragas contra a humanidade.

Friga

Número 13 e outros sinais de falta de azar, sempre ligados a bruxaria.


Reforçando essa mesma crendice, outra história de origem nórdica fala sobre um grande banquete onde o deus Odin realizou a reunião de outras doze importantes divindades. Ofendido por não ter sido convidado para o evento, Loki, o deus da discórdia e do fogo, foi à reunião e promoveu uma enorme confusão que resultou na morte de Balder, uma das mais belas divindades conhecidas. Com isso, criou-se o mito de que um encontro com treze pessoas sempre termina mal.

Fique de olho em quantos pessoa chama para aquele churrasco de domingo!

Apesar de tantos infortúnios associados a essa data, muitos a interpretam com um significado completamente oposto ao que foi aqui explicado. De acordo com os princípios da numerologia, o treze – por meio da somatória de seus dígitos – é um numeral próximo ao quatro, compreendido como um forte indício de boa sorte.

No oriente o número quatro tem a escrita semelhante a morte, estando longe de significa sorte  tem até fatos curiosos onde existem prédios não possuem os andares terminados em 4, e também os quartos de hospitais que teriam este número são cortados da contagem.

Além disso, indianos, americanos e mexicanos associam o número treze à felicidade e ao futuro próspero.

Os mexicanos por si só bem exóticos e não falo só da comida, enquanto as pessoas aqui visitam seus parentes falecidos no dia de finados ele lá realizam festas.

Festival dos Mortos - México

É isso. Boa Sorte e até a próxima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s